São Paulo (11) 5087-8963 | Rio de Janeiro (21) 3090-2073

Indicador antecedente de emprego cai em maio após crise política

São Paulo – O mercado de trabalho brasileiro em maio aponta perda da confiança sobre a economia dado o aumento da incerteza política, com a queda do Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) segundo dados divulgados pela Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta terça-feira.

O IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, registrou queda de 1,2 ponto no mês passado e foi a 99,3 pontos, após três altas e um mês de estabilidade este ano.

“O recuo do IAEmp pode refletir alguma perda de confiança quanto à recuperação da economia brasileira ao longo dos próximos meses devido ao aumento da incerteza (principalmente política)”, disse o economista da FGV/IBRE Fernando de Holanda Barbosa Filho.

A FGV destaca, porém, que dado os números positivos no início do ano, o resultado negativo para maio ainda não reflete um reversão da tendência de melhora gradual das condições do mercado de trabaho.

A leitura do IAEmp teve como destaque em maio a queda dos indicadores que medem o grau de satisfação com a situação dos negócios no momento atual e o otimismo para os próximos seis meses, com quedas respectivamente de 4,3 e 3,6 pontos.

Já o Indicador Coincidente de Emprego (ICD), que capta a percepção das famílias sobre o mercado de trabalho, teve queda de 0,1 ponto em relação a abril e chegou a 97,3 pontos.

No ICD, o indicador de percepção de facilidade de se conseguir emprego recuou 2,5 pontos para o grupo de consumidores que tem renda mensal familiar entre 4,8 mil e 9,6 mil reais.

No trimestre encerrado em abril, a taxa de desemprego no Brasil recuou pela primeira vez em quase dois anos e meio, para13,6 por cento, de acordo com dados do IBGE divulgados na semana passada. Essa tendência, porém, pode ser afetada pelas incertezas políticas, que diminuem a confiança na economia e podem dificultar a retomada do crescimento.

Comentários